COMPORTAMENTO

Não preciso, mas quero

Como a quebra de padrões tem sido decisiva para o empoderamento real da mulher.

Por: Zu Oliveira
Nos últimos dias vi uma campanha de uma marca de maquiagem que amei, “não preciso, mas quero”, estrelada por nada menos que Gisele Bundchen, com produtos incríveis e isso me trouxe à tona vários pensamentos sobre a relação da mulher com a maquiagem, sobre a minha relação com a maquiagem.
O problema não está no fato de você gostar de usar e consumir makes, mas sim nesse aprisionamento que nos foi imposto de que mulher tem que ter pele perfeita 24h por dia, bochechas rosadas e lábios carnudos. Não, não tem! Como eu sempre falo, não precisamos viver com a cara daquelas atrizes mexicanas que já acordam com os cabelos intactos e uma sombra power nos olhos todo santo dia. Isso é coisa de novela, gente! Vida real tem poros, linhas de expressão e alguns retoques sim, se assim você desejar. Precisamos nos sentir lindas de qualquer jeito. Confesso que tenho trabalhado isso diariamente em mim também. Precisamos treinar nosso olhar para ver o belo além das ultra coberturas das bases e das dezenas de camadas de cílios e nos sentirmos bem do jeito que a gente é. O empoderamento também está nisso: você ser e usar o que quiser, sem cobranças, sem neuras, sem traumas!
_MG_8306
Nossa cover girl, Camila de Alexandre, não se atém a padrões

Na consultoria de imagem, existem estratégias que servem para alongar a silhueta, emagrecer, diminuir o quadril e por aí vai, mas isso não te impede de usar aquela peça que você amou quando entender que ela te achata um pouquinho, se você tá super confortável, por exemplo. Você tem que ter peito pra sustentar o estilo – isso a gente tem – por que uma pessoa segura de si e coerente com quem ela é, deixa qualquer look bonito.

Por algum tempo eu tive um certo complexo do meu quadril largo e do meu bumbum farto. Depois da gravidez então, eles deram uma dramática aumentada, aí aceitei de vez, “é isso que a gente tem então vamo que vamo”… Há dias que sim, eu quero dar uma disfarçadinha e tal, uso todos os truques de styling, mas tem dias que quero eles à mostra mesmo, não me engesso mais, e se alguém falar algo, eu digo “tô nem aí, é o que tem pra hoje!”. Faço carão e vou a luta!

Aceitar-se não é se tornar passiva a tudo, mas é parar de viver uma corrida louca e desenfreada atrás de padrões inalcançáveis e inatingíveis que um dia foram impregnados na nossa mente. É ok fazer dietas, alisar o cabelo, se exercitar, mas que nada disso seja uma imposição e sim um ato de livre escolha por nos fazer bem.

gettyimages-902343318Também sou dessas

A acne também pode estar presente no rosto de mulheres de 20 a 40 anos. Se todas nós passamos por isso, será que vale se esconder em casa por causa dos julgamentos? Aparentemente Kendall Jenner (foto ao lado), a modelo mais bem paga do mundo em 2017, tem a resposta na ponta da língua: “Nunca deixe essa porcaria parar você!” , rebatendo críticas nas redes sociais após aparição com a pele com algumas erupções no Golden Globes.

assinatura zu